Após participar de carreata, Luciano Pinheiro consegue manobra para cancelar carreatas

Por: Laís Oliveira

Após participar de carreata, Luciano Pinheiro (PDT), candidato à reeleição para prefeito de Euclides da Cunha, faz uma jogada de marketing e estratégia e consegue decisão jurídica para cancelar carreatas em Euclides da Cunha.

O cálculo foi minucioso. Para compreender a estratégia do candidato é preciso voltar até o dia 27, quando foi dada a largada para a corrida eleitoral em todo o país.

Nesse dia, Luciano Pinheiro participou de uma carreata que teve origem no distrito de Aribicé, onde ele fez ato político, e a sede como destino final. No mesmo dia, a candidata Fátima Nunes (PSD) e o candidato Pequinho Abreu (PT) também realizaram campanha, mas sem carreata.

Até aí tudo normal, inclusive para o grupo de Fátima Nunes e seus apoiadores que já se organizavam para a realização primeira carreata.

Na segunda-feira, 28, Fátima Nunes anunciou que no próximo domingo (4) faria um ato de campanha em Aribicé, de onde sairia sua carreata.

Já na terça-feira (29) Luciano Pinheiro anunciou que realizaria sua primeira carreata, também no dia 4 de outubro, com origem no distrito de Ruilândia. Em seu card e em vídeo publicitários o destaque é para a realização da primeira carreata.

Isso já evidencia um conflito de agenda, pois é praxe a Justiça Eleitoral proibir dois movimentos paralelos e dessa magnitude que colocam eleitores adversários frente a frente.

Esse conflito, de fato, foi debatido na 102ª zona eleitoral, situada em Euclides da Cunha, tendo como principal decisão judicial o cancelamento de qualquer carreata. E o cancelamento é resultado da falta de acordo entre as partes interessadas, tendo certeza que, em virtude da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), a Justiça não iria permitir qualquer ato de aglomeração dessa magnitude diante das imagens que se espalharam do último domingo.

O grupo representante da candidatura de Fátima Nunes tentou manter a agenda, com a justificativa de igualdade na disputa, já que a principal chapa adversária acabara de participar de evento semelhante. O mesmo argumento foi usado pelo grupo da candidatura de Luciano Pinheiro, argumentando que houvera uma carreata no dia da convenção partidária do Partido Social Democrático – PSD.

Considerando os argumentos apresentados pelas partes interessadas em realizar novas carreatas e em observância às determinações do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-BA), a juíza eleitoral, Dione Cerqueira Silva, titular da 102ª zona eleitoral determinou a suspensão de futuras carretas durante o período eleitoral e proibiu a queima de fogos de artifícios por qualquer candidato. As regras de campanha desse pleito eleitoral são válidas para os municípios integrantes da 102ª zona eleitoral – Euclides da Cunha e Quijingue.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *