Luan Santana: O caminho da infelicidade

Imagem: Reprodução

Olá, pessoal

Temos que entender uma coisa, só vamos gastar tempo e energia naquilo que considerarmos ser importante, logo se por alguns momentos entendermos que a vida não tem muito valor, passaremos a perder o sentido de continuar mantendo ela.

Contudo, para chegarmos ao nível de questionarmos o valor da vida, passamos primeiro a questionar outras coisas. E hoje, quero alertar você para o caminho da infelicidade e o que ele pode roubar de você.

Auto-estima

A medida que vamos vivendo, algumas situações vão nos frustrando, seja porque cometemos erros ou pelo que outras pessoas nos fizeram. E esses arrependimentos vão contaminando a nossa percepção pessoal, ou seja, vamos olhando para nós mesmos e começando a acreditar que nunca seremos bons suficientes a ponto de merecermos resultados melhores em nossas relações ou em nossas ações.

Poder de decisão

Naturalmente, a medida que vamos entendendo que não somos importantes, passamos a ficar inseguros com as futuras escolhas. Sentiremos medo na hora de tomar alguma decisão, dependeremos mais da aprovação e do incentivo dos outros e, é claro, que perderemos a oportunidade de definir nosso destino. Sucumbiremos aos ciúmes, a zona de conforto, a impaciência e a tristeza improdutiva, afinal sabemos que está ruim, mas o que dói mesmo é não saber o que fazer para melhorar.

Perspectiva

Já teve a sensação de que o futuro é tão incerto que a tendência é apenas piorar? É aqui que passamos a de fato perder a fé na vida, pois começamos a desacreditar em qualquer coisa positiva que o destino possa nos proporcionar. O mundo se torna num lugar hostil e nos convencemos que seria melhor se excluir dele, pois não sabemos mais como reagir aos desafios que ele nos impõe.

Amor

Quando nos falta tudo, é claro que aquilo que ainda temos se invalida. Perdemos o amor próprio e com ele passamos a considerar que o amor dos outros também já não existe. E aqueles que tentam nos ajudar, já não nos convence de que podemos nos recuperar. Daí então passamos a nos convencer de que nada realmente importa e sua existência é tão inútil quanto as tentativas de justificar sua continuidade.

Se você se sente assim, procure ajuda, não deixa piorar!

Até a próxima, pessoal

 

Publicado em: http://www.euclidesdacunha.comnews/print/id/3011