Euclides da Cunha receberá tecnologias para aproveitar água das chuvas

Atualizado em: 18/03/2013 às 18:24

Diante da falta de chuva, a situação do município de Euclides da Cunha e também os da região circunvizinha só tem se agravado com o passar dos meses. Expectativas vêm e passam, e o volume de chuva que, quando cai no solo, está sendo sempre insuficiente para reparar os danos já causados pela maior seca dos últimos quarenta anos.

Em Euclides da Cunha, o volume de chuva dos últimos dois anos esteve muito abaixo da média para o município, se comparado com os dados de anos anteriores. As consequências são visíveis e inevitáveis, talvez, mas poderia ter menos consequências caso houvesse um aproveitamento melhor da pouca água das chuvas que caíram durante esse período.

De fato, poucos esperavam/esperam por momentos de estiagem tão longos. Alguns até constroem meios de conservar a água e alimentos na área rural e guardá-la para ocasiões como essa em que ocorre no Nordeste do país, e não apenas na nossa região. As barragens, plantações de palmas, dentre outros, são exemplos claros de métodos de prevenção para períodos de estiagens prolongadas.

São ideias simples que não precisam ser popularizada nas áreas rurais, já que alguns anos apresentam volume de chuva abaixo das expectativas, causando prejuízos e mesmo assim, os conhecedores/conviventes do ambiente árido não procuram/podem adotar métodos eficazes para não sofrerem tanto nos períodos de estiagem ou até mesmo com o excesso de chuva.

Obrigar as chuvas caírem do céu ninguém pode – até o momento, mas podemos estar preparados para aproveitar ao máximo quando estas caírem e escorrerem sobre nosso solo. Para isso, precisamos conhecer mais sobre nosso clima e utilizar “tecnologias” que possam ajudar a aproveitar os benefícios oferecidos pela mãe-natureza, como por exemplo, aproveitar a água que cai do telhado, entre outras ações.

Uma das mais recentes providências de aproveitamento da água das chuvas para o município de Euclides da Cunha foi apresentado em palestra, realizada pela ARCAS (Associação Regional de Convivência à Seca) no auditório do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Euclides da Cunha.

A palestra foi consolidada no período da manhã do dia 21 de fevereiro e contou com diversos representantes de várias associações comunitárias do município; pequenos agricultores; o secretário municipal da Agricultura, Carlos Alberto de Santana; representantes do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Euclides da Cunha; além dos membros da ARCAS.

No encontro, os palestrantes apresentaram o Projeto Mais Água que será implantado em Euclides da Cunha nos próximos meses. O Projeto é desenvolvido pela própria associação com recursos financeiros dos governos federal e estadual. Este mesmo Projeto beneficia os municípios de Antas, Banzaê, Coronel João de Sá, Pedro Alexandre e Sítio do Quinto, mediante características de cada localidade e com condições independentes.

O Projeto Mais Água consiste na aquisição de tecnologias para captação do precioso líquido provenientes das chuvas, mantendo-as em reservatórios específicos e, consequentemente, a utilização correta nos devidos fins, seja para a produção de hortaliça e similares, ou até mesmo para servir de bebedouro para animais.

O processo é simplificado. Primeiro o associação irá selecionar as pessoas que possam ser beneficiadas, em seguida, será selecionada o melhor meio de aproveitamento/captação da água. Feito isto, o beneficiado irá receber tudo pronto em sua propriedade. Mas precisará aguardar as água das chuvas caírem o suficientemente para que possam ter na prática o funcionamento do projeto.

Serão 154 tecnologias implantadas no município de Euclides da Cunha e outras 502 para os demais municípios também favorecidos com o mesmo Projeto. Refere-se às tecnologias: cisternas, barragens subterrânea, barreiro de trincheira familiar e/ou comunitário, limpeza de aguada, bomba d'água popular, tanque de pedra e quintal produtivo, os quais serão exclusivamente destinados a beneficiar os pequenos agricultores do município que obedecerão a requisitos específicos para serem contemplados e, estes ainda precisarão passar por treinamentos para que possam receber uma das tecnologias em suas propriedades rurais.

Nem todas as tecnologias citadas estarão disponíveis para Euclides da Cunha. As selecionadas devem ser implantadas já nos próximos meses e os agricultores beneficiados terão acompanhamento de técnicos da ARCAS durante dezenove meses. Para isso, foi designada na palestra uma comissão municipal que cuidará de mapear as áreas identificando as pessoas mais necessitadas que possam receber todos os instrumentos e que, a partir disso, possam produzir bens de consumo nos quintais produtivos ou até mesmo como fonte de renda auxiliar.

Os resultados não serão de imediato, pois, além da necessidade de aguardar a chegada das chuvas - em quantidade adequada, os agricultores precisarão seguir recomendações para os investimentos produzam o resultado que se espera.

São mecanismos muito simples de serem manuseados e, associados a uma boa educação ambiental podem ajudar a melhorar o equilíbrio/convívio dos seres na natureza, mesmo mediante de uma situação tão complexa.

De acordo com os palestrantes, o único e maior impasse para o bom funcionamento das tecnologias será a falta do precioso líquido que, mais do que nunca precisa cair do céu urgentemente, independente das tecnologias que serão instaladas.
 

Publicado em: http://www.euclidesdacunha.comnews/print/id/264